Estresse: como aliviar os sintomas e suas consequências

Segundo pesquisa, 52% dos brasileiros têm ou já tiveram diagnóstico de estresse

O estresse é um estado provocado por uma excitação emocional que prejudica o equilíbrio do organismo, aumentando o nível de adrenalina – um neurotransmissor responsável pelo estado de alerta do corpo. É uma resposta, de causa física ou mental, a estímulos externos, que podem estar relacionados com o modo com que o indivíduo reage ao meio. Pesquisa realizada pelo Instituto de Psicologia e Controle do Stress (IPCS), com 2195 brasileiros, mostrou que 52% deles têm ou já tiveram diagnóstico de estresse e 55% sofriam de ansiedade.

Diversos fatores podem contribuir para o estresse, como a vida nas grandes cidades, o começo de um novo emprego, um acidente, nascimento de um filho, o casamento ou uma separação, o vestibular, entre outros. Além disso, pequenos eventos, como o barulho do despertador, uma briga de trânsito ou aguardar atendimento em filas também podem gerar estresse em algumas pessoas. Os sintomas do estresse podem ser tanto físicos quanto emocionais:

  • Dor de cabeça;
  • Cansaço e irritabilidade;
  • Alterações no apetite;
  • Falta de memória e concentração;
  • Isolamento social;
  • Gastrite ou úlcera;
  • Tensão muscular;
  • Queda excessiva de cabelo;
  • Insônia;
  • Queda no sistema imune, aumentando risco para infecções;
  • Pressão alta.

O estresse crônico prejudica a qualidade de vida, sendo causa de licença médica, irritação, desmotivação, queda na produtividade, depressão e ansiedade. A resposta ao estresse depende da maneira com que cada indivíduo lida e se deixa afetar com a situação e os estímulos externos que recebe, dessa forma, o primeiro passo para tratar é identificar a sua causa.

A pesquisa do IPCS mostrou como principais motivos de estresse para os brasileiros os relacionamentos, sejam eles com familiares, amorosos, com colegas ou chefes. E como eles lidam com o estresse? Mais de 75% conversa com amigos e familiares, 71% tenta eliminar a fonte estressante da sua vida e 64% pratica exercício físico como forma de alívio. Somente 42% busca a ajuda de um psicólogo, profissional que pode ajudar na superação de situações difíceis ou problemáticas.

De acordo com a 7ª Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial, o controle do estresse é importante para o tratamento não medicamentoso da hipertensão, e a prática de meditação e relaxamento pode auxiliar na redução da pressão arterial.

Além de relaxar, veja outras dicas para aliviar o estresse:

  • Procure atividades que lhe deem prazer, como aulas de dança, cozinhar, estar em contato com a natureza, ler um livro;
  • Não tente mudar situações que não dependem apenas de você;
  • Pratique atividade física regularmente, seja de maneira individual como uma corrida, ou em grupo como futebol e vôlei;
  • Converse com alguém que possa te ajudar a lidar com seus sentimentos e emoções;
  • Utilize chás com propriedades calmantes, como o de maracujá (Passiflora incarnata L.), capim santo (Cymbopogon citratus) e camomila (Matricaria recutita L);
  • Inclua uma alimentação saudável na sua rotina, sem restrição de nenhum alimento, pois as dietas restritivas também são uma causa comum de estresse.

 

Referências:

Malachias MVB, Souza WKSB, Plavnik FL, Rodrigues CIS, Brandão AA, Neves MFT, et al. 7ª Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial. Arq Bras Cardiol 2016; 107(3Supl.3):1-83.

 

Maria Angélica Sadir; Márcia Maria Bignotto; Marilda Emmanuel Novaes Lipp. Stress e qualidade de vida: influência de algumas variáveis pessoais. Paideia jan.-abr. 2010, Vol. 20, No. 45, 73-81.

 

Instituto de Psicologia e Controle do Stress. Pesquisa Stress no Brasil. Disponível em: http://www.estresse.com.br/pesquisa/stress-brasil/