É possível ter uma alimentação saudável consumindo glúten?

O glúten é uma proteína, encontrada em cereais como trigo e cevada. Atualmente, entre as dietas da moda, se encontram diferentes formas de cardápio que retiram o glúten, acreditando que contribuirá para uma maior perda de peso, mas será que isso é verdade? Para explicar um pouco melhor sobre esse mito, vamos abordar alguns tópicos abaixo explicando o porquê da restrição do glúten e para quem. Confira!

Quem precisa substituir o Glúten na alimentação?

De acordo com o Conselho Regional de Nutricionistas (CRN), a substituição do glúten é recomendada para pessoas com diagnóstico médico, confirmado a doença celíaca ou a sensibilidade ao glúten, alergia ao trigo (neste caso a restrição é feita de alimentos que contenham trigo).

Diferença da doença celíaca x sensibilidade ao glúten

A doença celíaca é uma resposta do sistema imunológico, no momento em que o glúten é consumido, o corpo, o reconhece como organismo estranho e tenta combate-lo. Já a sensibilidade ao glúten é uma dificuldade no momento da digestão, que não chega a causar mecanismos alérgicos e apresenta sintomas mais leves como dor abdominal moderada.

Sentir desconfortos ao comer pães e massas significa que a pessoa é intolerante?
Não necessariamente, para descobrir se o sintoma é do consumo do glúten, é necessário realizar um acompanhamento médico. Não é indicado retirar a proteína da dieta sem a confirmação, uma vez que existem outras doenças do estômago ou intestino que podem apresentar sintomas semelhantes.

Afinal, a retirada do glúten da dieta faz perder peso?
Não, apesar de muitas pessoas acreditarem nessa ideia, a retirada do glúten da dieta não interfere na perda de peso em caso de indivíduos saudáveis. A melhor forma de perder ou manter peso é realizar uma reeducação alimentar e praticar atividades físicas. As pequenas mudanças nos hábitos diários podem ser os maiores aliados nessa hora. Além disso, a associação de glúten na dieta contribui para uma maior variedade de alimentos, principalmente entre os carboidratos (pães, massas e biscoitos e grãos integrais).

Portanto, a retirada do glúten na alimentação deve ser recomendada após diagnóstico clínico e por meio de exames. E sim, é possível ter uma dieta saudável consumindo alimentos que contenham glúten! Balancear refeições, incluir todos os grupos de alimentos, são hábitos saudáveis e que devem ser contemplados diariamente.

Referências:
Bordoni A, Danesi F, Nunzio MD, Taccari A, Valli V.Ancient wheat and health: a legend or the reality? A review on KAMUT khorasan wheat. International Journal of Food Sciences and Nutrition, 2017;68, 278-286.
Bascuñán KA, Vespa MC, Araya M. Celiac disease: understanding the glutenfree diet. Eur J Nutr, 2016.
Catassi C, Alaedini A, Bojarski C, Bonaz B, Bouma G, Carroccio A, et al. The Overlapping Area of Non-Celiac Gluten Sensitivity (NCGS) and Wheat-Sensitive Irritable Bowel Syndrome (IBS): An Update. Nutrients, 2017;9 (1268).
Brasil. Parecer Técnico CRN-3 Nº 10/2015. Restrição ao Consumo de Glúten. Conselho Regional de Nutricionistas – 3ª região. 9 nov 2015.
Gilissen LJWJ, Meer IM, Smulders MJM. Why Oats Are Safe and Healthy for Celiac Disease Patients. Med Sci, 2016;4(4): 21.
Leonard MM, Cureton P, Fasano A. Indications and Use of the Gluten Contamination Elimination Diet for Patients with Non-Responsive Celiac Disease. Nutrients, 2017;9(10): 1129.
Sánchez-León S, Gil-Humanes J, Ozuna CV, Giménez MJ, Sousa C, Voytas DF, et al. Low-gluten, nontransgenic wheat engineered with CRISPR/Cas9. Biotechnology Journal, 2017: 9.