AFINAL, DÁ PARA MANTER UMA ALIMENTAÇÃO EQUILIBRADA COMENDO FORA DE CASA?

Claro que dá – mas é importante ficar atento ao que colocar no prato, sem perder o foco.

A gente sabe que você conhece bem esta realidade: nem todo mundo que trabalha fora consegue trazer de casa aquela marmita com alimentos saudáveis, tudo feito em casa, equilibrado, como deveria. Seja pelo tipo de rotina familiar, seja por precisar conciliar os horários do trabalho e dos estudos, enfim. E nem todo mundo que trabalha fora tem a possibilidade de ter à disposição uma copa ou cozinha para poder esquentar a marmita e comer com calma e tranquilidade. O que resta, portanto, para quem está nestas condições e trabalha fora? Comer fora, é claro. :)

(alimentacao fora de casa) shutterstock_212736364

Uma pesquisa realizada pela Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo em 2013 mostrou que 32% dos entrevistados relataram ter realizado ao menos uma das três principais refeições (café da manhã, almoço ou jantar) fora da sua residência. Resumidamente, dá pra dizer que o brasileiro gasta aproximadamente um terço do orçamento destinado à alimentação com refeições fora do lar. Os principais motivos relatados são, claro, a conveniência, mas também a busca pela variedade.

Mas o grande problema aqui é que esta mesma pesquisa da USP mostrou um lado preocupante desse novo hábito: a relação entre consumir alimentos fora do lar e ter excesso de peso. Segundo os resultados da pesquisa, 59% dos frequentadores de restaurantes apresentam excesso de peso ou obesidade. Em entrevista ao jornal O Estado de São Paulo, a autora do estudo, a nutricionista Bartira Gorgulho, geralmente quando as pessoas comem fora, há naturalmente um consumo maior de gordura. “As pessoas procuram comer o que não têm tanta oportunidade de comer dentro de casa, como uma variedade maior de carnes e frituras”.

02_shutterstock_138061871

E então surge a dúvida: será possível comer de forma equilibrada fora de casa?

Segundo a nutricionista Beatriz Botequio, é sim. “O importante é procurar um restaurante que forneça uma grande variedade de alimentos como legumes e verduras, e estes normalmente são os que têm uma proposta de buffet”.

Ela lembra que, dentro ou fora de casa, a composição de uma refeição equilibrada não muda. Por isso, é importante que no prato tenha vegetais (verduras e legumes, crus ou cozidos), alimentos fonte de carboidrato (arroz, batata ou massa) e proteínas (feijão, carne bovina, frango, peixe ou ovo).

Além disso, é importante lembrar que não se come fora de casa apenas para saciar a fome. Esta é uma atividade social que envolve prazer e diversão, seja com a família ou com amigos. Com moderação e equilíbrio, é possível encaixar alimentos diferentes e convenientes em alguns momentos e ter uma alimentação equilibrada. Dá, portanto, para fugir um pouquinho de vez em quando – tendo em mente que praticar a nobre arte de “enfiar o pé na jaca” todos os dias não dá, não é mesmo?

03_shutterstock_282096881

A Beatriz ainda reuniu aqui algumas dicas legais para você ficar de olho e controlar o seu dia a dia quando o assunto é “comer fora”.

- Prefira restaurantes por quilo ao invés de restaurantes nos quais a proposta é comer à vontade. O seu bolso também pode ajudar bastante na hora de controlar os impulsos;

- Frequente restaurantes onde é possível se servir ou montar o próprio prato. Assim, fica mais fácil controlar as quantidades e as combinações de alimentos da refeição;

- Em restaurantes estilo buffet, olhe primeiro todas as preparações disponíveis e então só depois monte o prato. Avalie as opções e mentalize o que irá escolher, sem exageros;

-  Deixe os salgadinhos, queijos e frituras para outras ocasiões, como festas ou comemorações, e não como parte da rotina. O mesmo vale para sanduíches de fast food, pizza, batata frita etc.;

- Sabemos que a hora do almoço é realmente uma correria para quem trabalha fora. Mas, mesmo assim, reserve este momento para você. Coma com calma e saboreie cada garfada.

- A respeito dos restaurantes do tipo “prato feito”, a nutricionista tem uma sugestão importante: “respeite sua fome e coma a quantidade para sentir-se satisfeito, não necessariamente tudo o que for oferecido”, sugere a nutricionista.